Get Adobe Flash player

Problemas podem ser diagnosticados com exames de rotina, mas poucos costumam se previnir

exames de rotina

Na tentativa de se desvendar se uma pessoa está bem de saúde, é muito comum apenas olharmos o aspecto físico — se a pessoa está em forma, se está corada, etc. Nem sempre, porém, o corpo dá sinais de que algo não vai bem. Uma parte das doenças, como diabetes, aids e hepatite, normalmente não mandam recados e a pessoa só vai descobri-la quando já pode ser tarde demais. Mas esses males, chamados de doenças invisíveis, se descobertos no início, têm grandes chances de sucesso no tratamento.

Segundo o responsável técnico do Laboratório de Análises Clínicas (Lanac), Marcos Kozlowski, é importante consultar o médico com frequência e realizar os exames de rotina. Existem exames e pedidos que não podem esperar uma dor ou desconforto para serem feitos. O problema, porém, é que a cultura da prevenção ainda é incipiente no país.

“O brasileiro, infelizmente, não tem o hábito de realizar exames de prevenção. O brasileiro ainda tem o péssimo hábito de só ir quando aparecem sintomas”, afirma o especialista. “Em outros países, comos os Estados Unidos, há cultura de prevenção, com investimentos muito maiores por parte do governo e até das operadoras de saúde. No Brasil, tanto os planos (de saúde) como o próprio governo não fazem o investimento que deveriam fazer em prevenção, procuram tratar somente as pessoas doentes”, critica.

De acordo com o Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, estima-se que 530 mil pessoas vivam com HIV/Aids no país, sendo que 135 mil delas não sabem que portam o vírus ou nunca fizeram o teste. Além disso, o Fundo Mundial para a Hepatite estima que cerca de 500 milhões de pessoas no mundo estão infectadas com os vírus para hepatite B e C, e apenas 5% delas sabem que tem a doença. No Brasil, existem cerca de 1,5 milhão de pessoas infectadas pela hepatite C, doença responsável por 70% das hepatites crônicas e 40% dos casos de cirrose.

O ideal, segundo aponta Myrna Campagnoli, diretora médica do laboratório Frischmann Aisengart, o ideal é que um adulto realize, em condições normais, o chek-up a cada dois anos, de forma a identificar a presença de fatores de risco para doenças a presença dos fatores de risco para as doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, hipertensão, cálculo renal e doenças sexualmente transmissíveis, todas que podem demorar a apresentar um sintoma.

“Depende muito da faixa etária (a periodicidade dos exames). Para crianças, o ideal é anualmente. Para os adultos, a cada dois anos é suficiente. E idosos volta a ser anual os exames. Isso, é claro, considerando que os exames estão normais. Se há alguma alteração essa periodicidade será alterada pelo médico”, explica a Myrna.

Doenças invisíveis

  • Hepatites
  • HIV/Aids
  • Diabetes
  • Alterações de colesterol
  • Doenças cardiovasculares
  • Tireóides
  • Doenças reumatológicas
  • Tipos de câncer

 

 

Do: bemparana

Todos os direitos reservados © 2013.

fixmyairandheat.com